Contexto

O desenvolvimento de uma estratégia de criação e implementação de cursos e-learning é uma das prioridades nacionais da política educacional definida pela Argélia, Jordânia, Marrocos e Tunísia, os Países Parceiros Erasmus+ envolvidos no projeto e-LIVES.

Construir um curso totalmente em linha é um processo difícil que exige das universidades a abordagem de uma série de diferentes aspectos:

  • a construção de um modelo económico eficiente;
  • a acreditação nacional dos cursos de e-learning na ausência de legislação apropriada e, por vezes, apesar dos incentivos do próprio governo;
  • a formação de um amplo grupo de professores capaz de compreender as inerentes diferenças pedagógicas entre o ensino presencial e a distância e que seja capaz de dominar as ferramentas necessárias para produzir os conteúdos do curso;
  • o desenvolvimento e a construção da infraestrutura tecnológica necessária para criar e ministrar os cursos em linha;
  • o treino da equipa técnica necessária para manter a infraestrutura técnica e apoiar os professores na utilização das ferramentas de produção de conteúdos;
  • no caso de cursos relacionados com a ciência, a tecnologia, a engenharia e a matemática (CTEM), o desenvolvimento e a implementação de laboratórios em linha controlados em tempo real para permitir que os estudantes realizem a distancia trabalhos de laboratório.

Em cursos na área das CTEM, a aquisição de competências práticas, normalmente associadas ao trabalho presencial de laboratório, levanta questões que às vezes são difíceis de resolver, dificultando o desenvolvimento de cursos em linha nessas áreas.

Antecedentes

Todos estes desafios foram abordados com sucesso durante o projeto TEMPUS EOLES anterior, também coordenado pela Universidade de Limoges e envolvendo, entre outros, nove dos parceiros do consórcio do novo projeto e-LIVES. De facto, durante o anterior projeto, foi desenhado e implementado o último ano de uma licenciatura em Eletrónica e Ótica para Sistemas Embebidos totalmente ensinado em inglês, o L3-EOLES (Curso de e-Learning de Eletrónica e Ótica para Sistemas Embebidos). O curso, que começou a ser oferecido no ano letivo de 2014/15, vai atualmente na sua quarta edição. Projetado como um ano de especialização, este curso é orientado para uma área atualmente em expansão na engenharia eletrotécnica e de computadores, a área da eletrónica e da óptica para sistemas embebidos. Esta área do conhecimento requer que os estudantes sejam capazes de realizar trabalhos laboratoriais para adquirir as necessárias competências experimentais técnicas. A execução de trabalhos de laboratório pela Internet exigiu o desenvolvimento de laboratórios experimentais acessíveis remotamente, permitindo que os estudantes interajam em tempo real com laboratórios reais. Essa formação inovadora foi acreditada pelas autoridades educacionais da Tunísia, de Marrocos e da França.

Mas, se o anterior projeto TEMPUS EOLES pode ser considerado um sucesso, o progresso feito é ainda insuficiente para determinar um rápido crescimento na oferta de cursos de e-engineering no curto prazo.

Objectivo

Ao documentar um conjunto de boas práticas e seguindo uma abordagem prática, o projeto e-LIVES visa ajudar as universidades dos Países Parceiros a construírem cursos inovadores de e-engineering por si próprias de uma forma sustentável. Esta meta ambiciosa baseia-se em dois objetivos principais:

  • ajudar as universidades a percorrer as diferentes etapas do projeto e desenvolvimento do curso (construção de um currículo, obtenção da acreditação a nível nacional, treino de professores, criação de conteúdos, …);
  • ajudar as universidades a desenvolverem sozinhas (de A a Z) um laboratório remoto.

É importante notar que esses laboratórios remotos também podem ser usados em aulas presenciais. De facto, devido ao crescimento exponencial do número de estudantes, numerosas universidades tiveram que substituir os trabalhos de laboratório do primeiro ano das suas licencituras em áreas CTEM por trabalhos de papel e lápis. Espera-se, por isso, que este projecto tenha um impacto estrutural directo na modernização do sistema de ensino superior dos Países Parceiros envolvidos.

Resultados

Os grupos-alvo dos Países Parceiros, bem como de outros países da Bacia do Mediterrâneo Sul e Oriental, que se espera serão os beneficiários finais do projeto e-LIVES são:

  • os responsáveis ​​pelas decisões nacionais (reitores da universidade e funcionários nacionais do ensino superior), que se pretende tenham todas as informações necessárias para que as suas dúvidas sobre este modo inovador de ensino e aprendizagem sejam dissipadas e facilitem o processo nacional de acreditação de novos cursos de e-engineering nos seus países;
  • as instituições parceiras que terão adquirido todo o conhecimento necessário para criar novos cursos de engenharia nas áreas da eletrotécnia e eletrónica e, em particular, para superar todos os obstáculos administrativos, humanos e materiais que enfrentam atualmente;
  • cada instituição parceira que terá um laboratório remoto totalmente operacional pronto para ser usado pelos estudantes matriculados não apenas em cursos de e-engineering, mas também em cursos presenciais, a fim de que possam lidar eficazmente, ainda que parcialmente, com a sobrelotação das aulas de laboratório no primeiro ano dos seus cursos de licenciatura em áreas CTEM, e que devido à falta de recursos suficientes para acomodar todos eles leva à substituição dessas aulas por aulas de papel e lápis;
  • os estudantes, uma vez que as instituições participantes poderão oferecer cursos inovadores de e-engineering acreditados e de elevada qualidade, adequados a diferentes perfis de estudantes, nomeadamente estudantes de fracos recursos económicos e/ou vivendo em áreas isoladas com natural dificuldade em se deslocarem temporariamente para estudar, ou estudantes em educação contínua e, portanto, o seu número deverá aumentar após o projeto e-LIVES;
  • os professores e a equipa técnica envolvida nas atividades do projeto que estarão no seu final aptos para fazer parte de um curso de e-engineering.

As universidades dos Países Parceiros beneficiarão dos resultados do projeto e-LIVES de uma forma sustentável, pois possuirão o conhecimento e os meios necessários para autonomamente criar, desenvolver, gerir e ministrar cursos inovadores de e-engineering de elevada qualidade.